Home » » CONTOS QUE ME CONTAM: "TITIO ME COMEU"

CONTOS QUE ME CONTAM: "TITIO ME COMEU"































Eu nunca poderia imaginar que meu tio Caio tivesse alguma tara por mim.

Estava com apenas 16 anos, tinha acabado de chegar de viagem e encontrei com meu tio na rua. Ele estava de carro e me ofereceu carona, e lógico que aceitei. Achei que fosse me levar pra casa, mas desviou o caminho e fomos parar num parque não muito freqüentado.

Ele sentou debaixo de uma árvore e com a mão deu sinal pra eu sentar também.

Não vi nenhum mal nisso... Sentei confortavelmente entre suas pernas.

Ele era pra mim, aquele tipo de tio que pode contar tudo, chegou a cuidar de mim quando eu ainda era um bebê... Tinha confiança nele.

Estávamos curtindo o momento, a conversa era boa, e eu não tinha nenhuma preocupação ali.

Mas a conversa começou ficar mais íntima, ele me perguntou se já tinha perdido a virgindade.

_Credo tio, isso é pergunta que se faça!

Mas ele insistiu carinhosamente, até que revelei que já havia perdido a virgindade há um tempo.

Queria saber mais da minha intimidade, e aos poucos ia conseguindo me fazer contar tudo.

Num momento, suas mãos começaram a tocar levemente meus seios, como nada falei, ele continuou a ousar mais... Acariciando levemente eles.

Fiquei espantada... Não podia estar acreditando naquilo, meu tio querido dando sinais de que estava interessado em mim.

Ele não era de se jogar fora, um homem alto, claro, cabelos começando a ficar grisalhos... Sua boca era gostosa e molhada. Estava no auge dos seus 35 anos.

Dei um jeito de sair de perto dele... Apesar de ter sentido minha calcinha molhar enquanto ele acariciava meus seios.

_Vamos embora tio? Está escurecendo!

_Claro... Vamos. Tenho que buscar sua tia ainda.

O caminho de volta tinha uma subida dentro de uma mata fechada, ele parou o carro.

_O que foi tio? Aconteceu alguma coisa?

Eu estava usando uma saia curta e uma blusinha fininha de malha, não usava sutiã naquele dia, nem precisava.

_Aconteceu! Ju, você está muito linda, nem parece mais aquela minha sobrinha que vi partir. Nesse tempo que ficou fora, você se tornou uma linda mulher...

Ele me falava isso com aquele olhar de tarado, que me deixou assustada.

Levou sua mão direita na minha coxa acariciando-a, fiquei arrepiada, *adoro quando colocam as mãos quentes nas minhas pernas.*

_Eu sei que sou teu tio, mas você sabe que não temos o mesmo sangue... Que não sou irmão do seu pai de verdade...então não é pecado eu estar te desejando.

E avançou e me lascou um beijo daqueles de tirar o fôlego. Instantaneamente fiquei meladinha, e ele mais experiente fez de tudo pra não me deixar escapar .

Levou sua mão esquerda por baixo da saia e acariciou minha bucetinha por cima da calcinha, que foi melando com meu líquido.

Minha mente estava a mil...não sabia o que fazer?!

Sair correndo ou ficar ali e aproveitar o momento? Afinal estava com os hormônios a flor da pele.

*Dane_se* eu pensei... *está gostoso, e não vai tirar nenhum pedaço de mim!*

Deixei rolar...

Depois do beijo, ele foi lambendo o meu pescoço e descendo para meus seios que estavam arrepiados de tesão. Sugava verozmente cada um deles. Com a mão adentrou a calcinha, e eu abri um pouco mais a perna pra facilitar. Conseguiu penetrar com dois dedos minha grutinha, e fazia movimentos de vai e vem me deixando ainda mais excitada.

Eu já estava entregue. Senti minha saia erguer, ele se inclinou e começou a chupar meu clitóris me levando a loucura...

_Ai tio, que gostoso... Chupa tio, está uma delícia!

Ele chupava meu clitóris, lambia toda sua extremidade, enfiava a língua na minha grutinha... eu gemia feito uma putinha no cio. Suas linguadas eram tão boas que me fizeram gozar...minhas pernas tremiam do gozo.

Para retribuir, acariciei sua pica, que estava super dura, abri o zíper da sua calça jeans e retirei seu cacete para abocanhá-lo. Dediquei-me no capacete dele primeiro e com minha mão apunhetáva-o. Ouvia seus gemidos que me deixavam ainda mais gulosa.

_Chupa cadelinha, chupa o pau do seu titio!

Lambia seu saco, enfiava dentro da minha boca, e voltava a chupar seu pau, até onde eu agüentava, sentia pulsar dentro da minha boca.

Ele então me puxou, tirando daquela posição. Inclinou o banco do carro para trás e sentou no banco de passageiro.

Com as calças até o joelho, e seu cacete armado*e que cacete* me puxou pra cima dele, fazendo-me sentar de frente pra ele em cima do seu mastro.

Não foi preciso nem tirar a calcinha, ele mesmo afastou ela de ladinho, para facilitar a entrada... pude controlar a penetração para não me machucar.

O movimento lento de sobe e desce foram se intensificando... ele agarrou na minha cintura ajudando no ato...já podia-se ouvir o barulho que nossos membros faziam, *eu estava encharcada.*

Os bicos dos seios batiam na boca dele... que tirava a língua para lambe-los.

_Fode cadelinha... fode no pau do seu titio!

_Ai que gostoso...hummm

E rebolava ainda mais no cacete dele.... levei minha mão ao clitóris para esfregá-lo..Entrei em estado de êxtase ...senti meu corpo arrepiar, estava gozando pela segunda vez.

Não demorou muito, ele começou a gemer e dizer *_Vou gozar...Tira...Vou gozar!*

Levantei-me e foi o suficiente para sentir os jatos do seu leitinho na minha bunda.

Ele enfiou um dos dedos no meu cuzinho e disse que da próxima vez gostaria de experimentá-lo, mas que já estava tarde, e tinha que buscar minha tia.

Recompomos-nos e seguimos nosso caminho sem trocar uma palavra.

E nos encontros de família, sempre rolava uns olhares mais picantes e insinuantes que acabavam... ahh, vocês podem imaginar.

Só que fica pra próxima que eu escrever.

Quem sabe continuo...rsrsrs


FONTE: http://www.casadoscontos.com.br
 
Support : Copyright © 2015. make naty - All Rights Reserved